Série de adoção da Band trata de mudanças no processo de adoção

16 Nov 2017

Por: Abraminj com informações da Band

Acompanhe a série de reportagem no telejornal da Band sobre adoção de crianças e adolescentes, que iniciou dia 11 de novembro. Neste dia 16/11, a emissora tratou das mudanças legais no processo de adoção. A reportagem desta quinta-feira conta com entrevista da juíza auxiliar do Conselho Nacional de Justiça Sandra Silvestre e do Desembargador do TJSP e Coordenador Estadual da Abraminj, Reinaldo Cintra Torres de Carvalho. Clique aqui para assistir à matéria.

Segundo Cintra, mudar prazos na lei não tornará as adoções mais céleres. Na matéria, o magistrado diz que para dar mais agilidade ao processos seria necessário aperfeiçoar o fluxo de informações disponíveis aos juízes e promover atendimento aos envolvidos no processo. "Se tivéssemos uma rede de atendimento eficiente, seria possível obter um diagnóstico de cada pessoa mais rápido", declara. 

Na sexta-feira (17/11), o tema será sobre adoção de crianças com problemas de saúde.

11/11/2017 -Nova série especial: Adoção – O abraço do amor

No Brasil existem mais famílias em busca de crianças para adotar do que candidatas a adoção nos abrigos. A nova série de reportagens especiais do Jornal da Band busca explicações para isso.

13/11 - Mais de 8 mil crianças esperam por adoção no país

O número de famílias que querem adotar é cinco vezes maior do que o total de crianças nos abrigos. Apesar disso, a fila anda muito devagar. Um dos motivos são as preferências como idade máxima de 5 anos, 

14/11- Adoção de adolescentes cresce entre estrangeiros

Quanto mais tempo uma criança passa num abrigo, menor é a chance dela ganhar uma nova família. No Brasil, só 3% das adoções são de adolescentes com mais de 13 anos.

15/11- Adolescentes contam com apoio e carinho de padrinhos

Homens e mulheres doam tempo e atenção para crianças e adolescentes que ainda aguardam uma nova família.

16/11- Mudanças na lei podem agilizar processo de adoção

Mais de 47 mil crianças e adolescentes vivem em abrigos no país. Mas apenas um em cada seis está em condição de ser adotado.