Abertas as inscrições para o VIII FONAJUP , XXVI FONAJUV e a Reunião do Colégio de Coordenadores da Infância e Juventude

24 Jan 2020

Por: Abraminj

O VIII Encontro do Fórum Nacional de Justiça Protetiva – FONAJUP , o XXVI Encontro do Fórum Nacional de Justiça Juvenil - FONAJUV e a Reunião do Colégio de Coordenadores da Infância e Juventude .

O evento será realizado entre os dias  04, 05 e 06 de março de 2020, no Hotel Ponta Verde Maceió localizado na  Av. Álvaro Otacílio, 2933 - Ponta Verde, Maceió - AL, 57035-180. A abertura dos dois fóruns acontecerá em conjunto no dia 04 de março. 

A solenidade conta com o apoio da ABRAMINJ, da Escola Superior da Magistratura (ESMAT), do Poder Judiciário do Estado de Alagoas e da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). 

Confira a programação em breve. 

As inscrições podem ser feitas pelo aplicativo da ABRAMINJ. 

O hotel Ponta Verde Maceió está disponibilizando pacotes especiais para os participantes do evento. Veja tarifas abaixo: 

HOSPEDAGEM HOTEL PONTA VERDE MACEIÓ:

TARIFA ACORDO:

Diária com café da manhã valor por apartamento

Solteiro

Duplo

Triplo

Standard

R$ 269,00

R$ 296,00

R$ 357,00

Lateral Mar

R$ 284,00

R$ 316,00

R$ 395,00

Frente Mar

R$ 312,00

R$ 345,00

XXX

Suíte

R$ 355,00

R$ 459,00

XXX

 

Obs: para adquirir tarifa acordo informar Evento do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas.

Reservas: As reservas podem ser feitas através do e-mail eventos@hotelpontaverde.com.br

 

FONAJUV:

Criado no dia 8 de agosto de 2008 com o objetivo de reunir e promover o debate entre magistrados e interessados pela temática infanto-juvenil, além de conhecer a realidade de cada região, os desafios e as experiências exitosas, buscando a construção de ferramentas para garantir a agilidade e a concretude na aplicação das medidas socioeducativas pelos juízes da área da Justiça Juvenil.

FONAJUP: 

O FONAJUP tem como missão a promoção do debate de temas relevantes entre os magistrados com competência em infância e juventude, com vistas a atribuir eficácia máxima às normas protetivas, bem como trabalhar na elaboração legislativa pertinente, para que a magistratura seja ouvida em todos os projetos de lei que digam respeito à criança e adolescente em situação de vulnerabilidade.